Correios entra na luta contra o mosquito Aedes aegypti

O governo federal continua promovendo ações de conscientização em prédios públicos federais a fim de combater o mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue, febre chikungunya e do zika vírus.

Na última sexta-feira, 11, o ministro das Comunicações e presidente do Conselho de Administração dos Correios, André Figueiredo, esteve presente em um mutirão na agência central de Recife, em Pernambuco. Cerca de 500 empregados participaram da mobilização.

Durante a inspeção, Figueiredo enalteceu o trabalho incessante dos carteiros e atendentes dos Correios em todo o Brasil. “São 120 mil trabalhadores que fazem a diferença. É muito importante a parceria dos Correios nesta luta, pois sabemos bem o respeito que essa instituição tem perante a população brasileira”, concluiu.

No mesmo dia houve perícia na sede de Belém, no Pará. Giovanni Queiroz, presidente da estatal, participou da operação juntamente com os funcionários da unidade.

Durante o evento, foram distribuídos panfletos informativos sobre como combater o mosquito, responsável por acometer 1,6 milhão de pessoas por ano no Brasil.

Queiroz aproveitou o encontro para exaltar a alta relevância dos Correios para o controle da possível epidemia. “É a única empresa que chega em todos os lares do Brasil, então vamos buscar levar informação ao maior número de pessoas, reforçando a importância do cuidado contínuo em nossas casas, nos locais de trabalho, nas escolas, nos logradouros públicos e em todos os lugares que tivermos acesso. ”, destacou.

 

Correios contra o Aedes aegypti

Os Correios adotaram a prática de vistoriar todas as suas unidades com o objetivo de eliminar focos do mosquito.

No início de fevereiro o presidente dos Correios, Giovanni Queiroz, participou de uma reunião com a presidente Dilma Rousseff e com ministros para alinhar ações de combate ao Aedes aegypti. A partir disto a estatal adotou as medidas estabelecidas pelo Decreto n° 8.662, publicado dia 2 de fevereiro de 2012, no Diário Oficial da União.

Ao todo, são 60 mil carteiros atuando como agentes multiplicadores ajudando as comunidades a combaterem o mosquito. Além dos carteiros, os atendentes comerciais também são responsáveis por distribuir o material educativo nas mais de 6,4 mil agências.

Logo após a reunião com a presidente, ainda no mês de fevereiro, a instituição começou a entrega de cerca de 20 milhões de panfletos informativos nas residências e no comércio de aproximadamente 350 cidades em todo o País.

Tal ação foi parte integrante do Dia Nacional de Combate ao mosquito Aedes aegypti. O material distribuído continha orientações de como identificar os focos do inseto, como eles se reproduzem e como podem ser eliminados.

Cerca de 220 mil militares das Forças Armadas e diversas autoridades do Poder Executivo Federal participaram pessoalmente da iniciativa.

O intuito dos Correios com este tipo de ação é conscientizar os clientes, mostrando que, se cada um agir e mobilizar suas famílias e a comunidade, o combate ao mosquito poderá ser mais eficiente.

Segundo Giovanni Queiroz, os Correios, como uma empresa pública, apresentam um papel importante de agente de integração nacional, e desta forma, é responsável por orientar a população em conjunto com outros órgãos federais.

Para ele, a instituição deve articular a intensificação de movimentos como estes, com objetivo de informar e educar a sociedade quanto à saúde pública e a prevenção de enfermidades. “O País vive um momento único no enfrentamento das doenças transmitidas pelo Aedes e o mutirão nos prédios públicos federais é uma resposta do compromisso que temos com a saúde de todos os brasileiros. Os Correios estão engajados para, juntos com a sociedade, derrotarmos o mosquito”, reforça Queiroz.

A iminência de uma epidemia das doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti no Brasil deixa todas as instituições públicas em estado de alerta. “O combate ao mosquito Aedes aegypti é uma ação prioritária e contínua da empresa”, finaliza o presidente dos Correios.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *